11 de Abril de 2021

Notícias

Assistência Social de São Julião promove debate no rádio sobre qualidade de vida

Na manhã desta última quarta-feira (17), a primeira-dama, secretária de Assistência Social de São Julião e profissional de educação física, Thaise Moura Fontes e a psicóloga Débora Barros participaram de uma entrevista no município, na Rádio Nossa Senhora de Conceição.

Durante o encontro, Thaise Moura Fontes, abordou o tema: ‘Envelhecimento Saudável e a Prática de Exercícios Físicos’, inicialmente incentivando a todos a praticarem atividades físicas.

“O exercício físico é vida e com a sua prática podemos tratar muitas doenças e entre elas, destaco: doenças psiquiátricas que estão cada dia mais evidente; doenças neurológicas; pulmonares; cardíacas e até o câncer, dentre outras. Vamos procurar incentivar os amigos, vizinhos a praticarem caminhada, a corrida, o ciclismo, atividades que trabalhem o corpo todo, a musculação, e etc”, disse a profissional.

Primeira-dama, secretária de Assistência Social de São Julião e profissional de educação física, Thaise Moura Fontes

Em continuidade, Thaise Moura Fontes, frisou que a participação na rádio era voltada em especial para os idosos, os destacando como um grupo maravilhoso que precisa dos cuidados e da atenção dos profissionais de educação física. “Os idosos antes eles eram vistos como pessoas frágeis que não poderiam ser expostos a estímulos e não podiam fazer atividades, mas agora sabemos que eles precisam realizar essas ações que promovem mais saúde, pois, várias percas associadas com a idade são revertidas com exercícios, ou seja, eles melhoram a qualidade de vida e vivem mais”, explicou.

Encerrando sua participação, Thaise Moura Fontes, ainda informou que atividade física também é prevenção e tratamento de doenças, sem contar várias sensações maravilhosas que elas deixam em nosso corpo e trabalham a mente principalmente nessa época da Covid-19, os exercícios devem continuar, mas adotando todos os cuidados necessários recomendados pelas autoridades de saúde.

A psicóloga Débora Barros, durante a entrevista abordou sobre o ‘Grupo de Capoterapia’. Em São Julião, o Grupo de Capoterapia faz parte do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCVF), ofertado de forma complementar ao trabalho social que é realizado com as famílias por meio do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF), e o Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos (PAEFI), que são programas que tem como base o Sistema Único de Assistência Social (SUAS) do Centro de Referência da Assistência Social (CRAS).

“Além de trabalharmos mensalmente temas sociais com idosos que integram o grupo, eles participam da Capoterapia que é uma terapia alternativa integrativa e motivacional, e ela utiliza de ritmos como berimbau, com movimentos que são adaptados para pessoas sem o hábito, na prática de atividades físicas esportiva. Essa prática respeita a condição física das pessoas, as potencialidades, os limites e as características psicológicas individuais do praticante, ela é acompanhada por cantigas de roda que os idosos conhecem todas, e transforma em uma atmosfera lúdica capaz de atrair pessoas de várias classes sociais e tira-las do sedentarismo”, explica a psicóloga.

Psicóloga Débora Barros

Débora Barros, ainda destacou que as atividades da Capoterapia em São Julião são acompanhadas há 07 anos pelo profissional de educação física e capoterapeuta Denis Costa, que também é Diretor Estadual da Capoterapia, junto sua equipe trazendo benefícios através de atividades que proporcionem alegria, bem-estar físico, mental e social melhorando a qualidade de vida de cada participante. Os serviços são ofertados tanto na sede quanto no povoado Mandacaru.

Devido à pandemia, os encontros em São Julião foram modificados, respeitando e defendendo o distanciamento social recomendado pelas autoridades de saúde. Com a impossibilidade de realizar os encontros presenciais, presando pela saúde dos participantes, e para dar continuidade nas atividades, a capoterapia foi desenvolvida em casa, ou seja, foram oferecidos vídeos das atividades através de grupos de whatsapp com os participantes, bem como um encontro ao vivo semanalmente por meio das plataformas digitais. Uma vez por mês era desenvolvida a ‘Capoterapia Itinerante’, dessa forma, a equipe do CRAS junto com o capoterapeuta iam até à porta de cada participante, respeitando as recomendações da Organização Mundial de Saúde e desenvolviam as atividades.

Por fim, a psicóloga informou que as novas inscrições para o Grupo iniciaram desde o mês passado, e foram divulgados em diversos meios de comunicação, e explicou: “Os idosos do município que tenham acima de 60 anos e desejarem se inscrever no Serviço para participar do grupo, ter mais informações e uma vida mais ativa devem procurar o CRAS portando os documentos pessoais”.